“Otaku ocidental não consome nada!”

Olha um quarto de Otaku japonês!
Olha um quarto de Otaku japonês!

Nesta semana que passou foi essa a afirmação que eu mais ouvi de algumas empresas por aí, mas vou usar uma em especial como exemplo pra esse texto. No mês que vem o querido canal Animax feito para os fãs de animes (vulgo Otaku) vai passar por uma reformulação. Deixará de ser um canal especialmente de animes e vai incluir outros programas, músicas e até seriados em sua programação. É nada mais de “Só animes!” ou músicas pop japonesas em seus intervalos. O público do canal em geral ficou chocado, e já andou cogitando inúmeras razões para essa mudança radical na direção da Sony em relação ao Animax, sendo uma delas a de que o canal não anda lá bem das pernas. E quer saber a verdade? O Animax não anda bem das pernas mesmo e sabe porque? Porque eles chegaram a mesma conclusão de muitas outras empresas que investem nesse mercado de que “Otaku ocidental não consome nada”! E se ele não gasta dinheiro pra que um canal como esse exista, então porque continuar investindo nisso, certo?

Infelizmente chegamos a conclusão de que há muito se falava: de que os próprios fãs acabariam com esse mercado. E realmente é isso que estamos fazendo. Detonamos com tudo o que era oficial. Os canais de tv que costumavam investir nesse tipo de produção estão parando de fazer isso, as empresas de produtos relacionados ao assunto também os estão deixando de lado.

Eu acredito que a causa seja o fato de o fã ocidental de animação japonesa ser um cara (ou uma mina!) formado na internet. Na minha época de fã, eu me lembro de gastar fortunas com cards, VHS, mangás e produtos que lembravam o que eu mais gostava (que era Dragon Ball!). Os fãs que evoluíram depois de mim também gastavam comprando DVDs e outros produtos. É só nos lembrarmos de Cavaleiros do Zodíaco, dos mangás que vendiam muito, dos DVDs que foram um sucesso, dos Cloth Myth, dos produtos para festas, fantasias para crianças, etc.

American Goku!
American Goku!

Infelizmente, a nova geração de fãs está bem longe de gastar com estas coisas. Ele vê tudo pela internet, consome mangás escaneados e traduzidos, baixa jogos piratas e não tá nem aí pro que vá acontecer daqui pra frente.

E falando em Animax, TODOS os canais do mundo inteiro vão sofrer a mudança radical com EXCEÇÃO do Japão onde deverá continuar o mesmo porque lá o povo consome e muito. É quase impossível estando no Japão ficar sem comprar um chaveiro, um adesivo ou até mesmo cantar no karaokê as músicas da modinha.

E aqui a galera se contenta em baixar tudo de graça, não consome quase nada e ainda reclama que isso tá caro, que aquilo tá caro e assim vai. Sabe qual é o novo alvo deste “novo” Animax? Aqueles garotos “pseudo-alternativinhos” que a galera tende a chamar de geração MTV. Um cara que trabalha e tem entre os seus 16 e 18 anos e gasta uma boa parte do salário em bugigangas e coisas bacanas do mundo pop. Tem um amigo meu que define a MTV como uma coisa engraçada, algo assim: “O cara que assiste esse canal é um cara que  fuma maconha e quando o chamam de maloqueiro fica com raiva, ao mesmo tempo em que gasta a grana do pai com coisas idiotas e quando é chamado de Boy fica com raiva também. Ou seja o cara é meio hype, meio playboy”. Essa não é a minha opinião, hein! Que fique bem claro isso! Mas deu pra notar que é pra esses caras que as novas empresas estão mirando no futuro, o cara adolescente que ganha um troco e é guiado pela modinha. Aliás, eu acho que sempre foi assim. Temos que reconhecer. O único problema é que talvez a moda do anime tenha acabado no resto do planeta com exceção do Japão.

O cara das novas modinhas é o tipo de pessoa que vai consumir no lugar dos “fãs de anime” que não se importam o suficiente com o mercado porque se formaram na época do Free, a teoria onde tudo que vem da web tem que ser de graça.

E o fã de anime de hoje é internauta mesmo, se forma na rede. Até porque ele não fica sabendo de mais nada fora desse meio digital, já que por aí já não se fala mais sobre o assunto. (Só como exemplo, canais americanos e japoneses resolveram exibir alguns animes de graça em seus sites oficiais na tentativa de encontrar uma maneira de ganhar dinheiro com isso no futuro!)

Será que há uma solução para que vocês não sejam abandonados?

Os games também sofrem por isso. Eu estou trabalhando em uma editora agora e dentro de um núcleo de games. Já, já, vocês ouvem falar de mim por aí. Por enquanto mantemos o sigilo…rs.. 😛

Pesquisando sobre o que estamos fazendo, eu resolvi entrar na internet e ler o que os caras dizem sobre a revista que é publicada pela editora em que eu trabalho, e comecei a ouvir opiniões muito ruins sobre o assunto. Tem até um tópico chamado: “A decadência das revistas de games” que fala como as revistas de games são desatualizadas no mercado, como não vale a pena gastar uma grana com elas e como tem gente que compra só pra ser saudosista, não porque realmente curta e tal. Eu li e fiquei super chateado, mas depois eu pensei: “Po, mas não é pra esse cara que tô querendo criar alguma coisa! Esse cara lê as notícias da web e baixa tudo pirata. Definitivamente não é ele quem vai gastar 10 pilas na minha revista”. E tenho que confessar que já pensei que as revistas iam acabar assim também, mas sei que não posso esquecer você, “cara maluco que acha que as revistas têm que acabar”, mas tenho que lhe dizer uma coisa da mesma forma que alguém me disse, sinceramente, espero que na hora certa, você dê a chance de ver o que anda chegando ao mercado. De repente você pode se surpreender.

Tem que haver uma maneira de se criar um meio-termo entre revista e internet algo que nos últimos 5 anos grandes editoras achavam que não existia, mas existe sim. Anos atrás, uma revista gigantescas e tradicionail, a Electronic Gaming Monthly parou sua publicação. Foi vendida pra concorrente porque tudo o que a revista fazia era facilmente encontrado na internet. Como eu disse antes, a internet tornou a procura por informações infinitamente mais fácil. Então como resolver isso? A solução está em fazer aquilo que não existe na web em integrar um conteúdo que junte tanto o fã da net quanto o das revistas. Todo mundo sabe que isso é possível, mas é tão mais complicado! Com pouca grana e muito esforço, logo qualquer jornalista perde o pique e passa a copiar tudo da internet porque é o jeito mais simples. Já no meu caso, eu quero que o cara copie da minha revista e jogue na rede! Faça o inverso!

Esse pensamento é maluco, mas ele existe! Basta olhar para uma publicação de games gigantesca como a japonesa Famitsu, por exemplo! Ela tem as suas páginas escaneadas toda a semana na web e suas notícias correm o mundo através de seu site. Você não iria querer comprar algo assim? Quando eu estava no Japão, gastei uma boa grana comprando a Famitsu. Eu ficava tão feliz toda a semana porque sempre tinha algo novo e estando por lá eu sabia que era um dos primeiros brasileiros do planeta a saber o que rolava.

Pensando nisso, eu fico alucinado! Parece um trabalho de gente louca porque é muito grande e eu não ganho o suficiente para isso (aliás no cenário de games nacional, ninguém ganha!). De qualquer maneira, se eu não conseguir, pelo menos devo ter a sensação de que eu tentei..rs..

E qual não foi a minha surpresa ao olhar nas bancas da Av. Paulista e perceber que a revista americana Gamepro continua a ser publicada até hoje. E depois disso, resolvi dar uma olhada na web e descobri que a Electronic Gaming Monthly retornará em dezembro e pelas mãos do criador Steve Harris!… Olha só o site deles: http://www.egmnow.com/

Poxa, revistas tradicionais americanas estão voltando, talvez uma tradicional brasileira também possa renascer não acham?

Anúncios

25 comentários Adicione o seu

  1. ryoowatari disse:

    Com certeza penpas

    esse ponto de vista que vc apresentou mostra como não tem como esse mercado se espandir aqui, não é um problema dos canais ou das empresas e sim da cultura e da cabeça dos otakus

    ótimo texto

    Curtir

  2. O público otaku pode ser, digamos, uma potencialidade da tal geração “Free”. E preocupa não só quem cuida do nicho, mas todos os veículos de comunicação de massa.

    No Brasil, chega a ser meio contraditório. Os otakus são, geralmente, de classe média e alta. Mas reclamam de pagar R$ 20,00 para assistir um show de um cantor de animesongs.

    Entretanto, de tanto o mercado “demorar” para descobrir esse nicho, ele acabou se tornando auto-sustentável do ponto de vista dos fãs. Não dependem de ninguém. Só de uma conexão com a Internet. Quem sabe os lançamentos nostálgicos dos tokusatsus deem o start para outras iniciativas.

    Acho que os fãs certamente são culpados, mas quem está (ou estava) de olho nesse mercado também pode ter sua parcela de culpa.

    Curtir

  3. Nick disse:

    Ação Games? O_O

    Curtir

  4. sarah-chibi disse:

    ótimo texto.
    Otakus daqui realmente nao consomem muito.
    Minha mãe quase me bateu quando eu li o título em voz alta XD pq ao contrário dos outros, tenho gastado bastante!
    Comprando dvds originais, cards, figure actions e mangás japas originais…..é…otakus como eu que saem prejudicados >__>
    Eu pago 100 reais num show de anisongs pra assistir na are vip (1 metro na frente dos outros e com cadeira, embora eu só a use pra por a mochila =p), otaku Brasileiro não tem noção dos preços, por isso acha tudo caro, já cansei de ver algumas bonecas com preço IDÊNTICO ao japonês (e nem o frete tava incluso no preço) e eu ficar toda animada e o pessoal achar que tinha que dar 10 reais na boneca……..putsz, precisamos de novos otakus >__>

    Curtir

  5. João Aranha disse:

    O texto está ótimo, parabéns.

    Essa questão é algo severamente discutido, pois o fator “have fun” de antigamente foi trocado pelo que seja lucrativo e rentável, e isso é um fato que existe no mundo inteiro sem exceções. O Japão só nao sofre tanto quanto nós porque, obviamente, as empresas que fabricam esses tipos de produtos para o público otaku são muitas. Também não podemos esquecer de que lá, o custo de vida é bem mais alto do que a maioria dos lugares do mundo, o que torna algo para nós de fora muito caro.

    Parte da culpa se foca nas empresas, que insistem em ter uma inserção no país de acordo com a política que elas implantam no país natal deles, o que é praticamente impossível e, pensando do nosso lado (consumidores), uma atitude preguiçosa, por não erem a vontade de conhecer como podem entrar no mercado e jogam os produtos. Acontece demais aqui no continente americano e Europa. e o outro lado é o nosso, que se acostuma a baixar as coisas pela internet e pouco se importa.

    Pessoalmente, tenho o costume de comprar os originais (especialmente música) quando posso. E aí é o que devemos pensar, pois como é que o mundo quer superar a crise se a taxação de produtos em qualquer lugar (no Japão não existe para o consumidor, mas para a empresa é algo violento) é algo crítico? Aí o otaku que tem o seu PC bonitinho acaba baixando tudo o que vê pela frente e volta o seu consumo para o que realmente é essencial para a sua sobrevivência. Ou será que comer gashapons gera vitaminas?

    É algo que tem que ser pensado em várias vertentes para que o mercado cresça e possa atingir mais pessoas, mostrando que o universo otaku é algo divetido, saudável e pode ter um custo acessível. parabéns de novo pelo texto. Abraços!

    Curtir

  6. Lali disse:

    Ah, eu já li uns artigos sobre isso com dados estatísticos e tudo o mais. Realmente, o otaku ocidental não consome. Eu consumo muito – pelo menos pro meu padrão (que trabalho pra me manter), já que gasto uns R$ 150 por mês em produtos da cultura pop japonesa. Mas eu não me considero otaku e nem gosto desta nomenclatura. Se estou consumindo um produto cultural, é porque acho bom ou quero conhecer – não por alguma espécie de fanatismo.

    Mas eu realmente acho que as coisas poderiam ser aliadas, viu? Por exemplo, o primeiro capítulo de algum mangá poderia estar na rede pros fãs conhecerem legalmente. Eu mesma prefiro às vezes baixar algo pra conhecer e, se acho bom, faço questão de comprar o original. O pessoal fica muito assustado com as novas mídias e tecnologias, mas quem não se adaptar, vai dançar – simples assim! E isso é ótimo! É uma oportunidade para que as empresas inovem mais do que nunca! Dá pra ganhar muito mercado – é só saber usar estas novas tecnologias como aliadas, não como inimigas.

    Curtir

  7. Julimano disse:

    Infelizmente é verdade, eu sinto isso muito na pele, passo de 10R$ os Otakus em geral já acham caro, não importa se é um artbook, figura ou até mesmo um desenho feito e autografado por um puta artista animal, tudo fica caro para o pessoal que se acostuma com as coisas “di grátis” da internet. Ótimo texto, parabéns!

    Curtir

  8. Evandr0 disse:

    Gostei desse ponto de vista… De certa forma penso igual… Mas tem algumas coisas, que aqui no Brasil n iria dar certo de chegar logo, como o caso de noticias antes de estar na net…
    Nunca gostei de pirataria, mas se não fosse isso, nem saberia que Dragon Ball era um anime, ou que existice mangas (ambos nem imaginava que eram do Japão Oo)… Tem algumas coisas que eu sempre tive vontade de ter, como coleções de cards, box de certos animes e mangas, mas aqui a situação realmente é brava, não só pelos altos juros cobrados, mas pela desenformação e preconceito dos brasileiros…
    É comum você ver uma pessoa falar que quer se vestir como certo ator, ou comprar decorações carissimas, mas se você falar que quer comprar uma roupa de seu personagem favorito, ou chaveirinhos, bonecos, posters, ou qualquer coisa relacionada a animes, você é tratado como um estranho, ou ouve aquela “linda” frase: “Isso é coisa de criancinha”… E isso é uma coisa que eu não adimito ouvir de uma pessoa que acha que jogos são feitos para crianças (pegue God of War como exemplo)…
    Se for para mudar algo no mundo “free” da internet, primeiro precisamos mudar a forma que a maioria das pessoas pensão sobre um determinado assunto, porque muita gente que tem dinheiro só não gasta com coisas relacionadas a Otakus, porque tem vergonha, ou porque a familha e/ou amigos não aceitam…

    Curtir

  9. Black disse:

    Acho que entra aqui o efeito bola de neve. O leitor de mangá não compra porque pode encontrar mais barato na web, logo, o preço do mangá sobe e o que ele gostaria de comprar (porque mudou de opinião ou é uma novidade que tava esperando) não compra mais porque acha caro. Logo, o mercado, que poderia ser tão rico e crescer tanto, se vê naufragando. É o que vejo acontecer com revistas. Sinceramente, lamentei muito a morte da Ação Games, das revistas concorrentes (ah, como faz falta ter que escolher entre qual comprar) e também de revistas como a Herói. Pôxa, me formei como leitor na época em que comprava lotes dessas revistas para conhecer o que seria meu futuro objeto de consumo. Hoje, ao comprar a NeoTokyo, única revista que conheço de verdade do ramo, ou ao entrar em um site para ler uma resenha, é para procurar esse nicho, cada vez mais morto. Agora, devo abrir um parênteses aqui para ser sincero: Podemos dizer sim que o otaku comum não compra, mas não é só por causa do Free não.
    É impossível você conseguir na internet um boneco que você pode comprar em evento ou certos desenhos antigos ou séries anteriores ao Boom da informática. O que dizer então do abuso das empresas em cima desses produtos? Muitas delas consideram que o comprador vai fazer das tripas coração para adquirir o que elas vendem, mas nem todos serão assim. Eu sou, gosto de comprar o que posso, só que de forma lenta, já que tenho que acumular dinheiro para tanto. E nem sempre encontro qualidade, vide a polêmica do DVD do Jiraya. Se a relação entre consumidores e vendedores fosse respeitosa mesmo, não haveria tanta discussão. Ah! E boa sorte no seu novo trabalho!

    Curtir

  10. vincent_valentine disse:

    tudo balela.

    e sim, tudo é caro demais, peguem a animax por exemplo, na maioria das tvs por assinaturas ela está nos pacotes mais caros, chega a custar 200 reais um pacote que tenha animax, 200 reais para o pai de familia pagar para sustentar o hobbie do seu filhão de 14 a 20 anos não dá!

    veja os exemplos dos dvds, o pacote de 3 dvds da série confissões de adolescente, com 26 episódiios divididos nos 3 dvds custava 99 reais no seu lançamento, um pacote de naruto com 5 dvds, totalizando 18 episódios custa 140 reais, um dvd de série americana tem 3 horas e meia de duração (pegando o exemplo de heroes) um dvd de anime tem de 70 a 110 minutos de duração, e o custo do dvd de anime, mesmo com menor tempo de reprodução ainda é mais caro que os dvds de séries americanas.

    mais uma informação, dvds de animes, em especial naruto e one piece tem censuras, como que um jovem assalariado vai comprar algo que tem censura? dai a empresa responde, tem versão censurada e cm censura, mas a sem censura não é dublada em portugues, e para que duas versões do mesmo episódio, e não 8 no lugar de 4 episódios.

    pegue empresas como a focus, várias séries foram canceladas, teve série tokusatsu que(jiraya), no lugar de imagens em alta definição, retirada dos dvds japoneses, usaram a imagem de tv; e ainda pegaram audio de dvds piratas para ter a versão dublada.

    como que um fã vai consumir esse tipo de mercado se está fora da realidade mercadológica, e com o numero de cancelamentos, e quem esperava a focus terminar hunterxhunter e full metal alchemist, entre outras?

    os fãs não tem culpa da contratação tardia de naruto, ele foi febre em 2003 a 2005, agora só crianças menores de 10 anos gostam da série.

    se a internet é a grande vilã, então como hoje temos uma enorme variedade de mangás nas bancas? grande parte dos mangás licenciados antes fizeram grande sucesso por intermedio da divulgação gratuita, panini em 2003 tinha 2 titulos, hoje tem mais de 20 titulos em publicação, mais da metade são titulos que jamais teve anime passando na tv brasileira. mas teve sucesso via internet; com a jbc a mesma coisa, a jbc sequer arrisca num lançamento desconhecido, só mangás que tenham um grande potencial de publico é lançado, e como saber qual tem um grande publico no brasil? bem, o sucesso na internet é um dos fatores que levam a interessar pela negociação de um titulo.

    só que tem uma diferença; enquanto um mangá de 200 páginas custa 10 a 11 reais, que é um valor relativamente acessivel, uma tv por assinatura não é; compensa mais pagar 70 reais em assinatura de banda larga, do que 200 numa assinatura de tv, talvez se o animax estivesse no bloco básico, ou no bloco intermediário das tvs por assinatura, o quadro seria muito diferente.

    o redator cita revistas, revistas de animes por exemplo, eu sou da época da ultra jovem, e da animemix, durante 2 anos inteiros da ultrajovem, só houve um anime em destaque de capa: dragon ball, dificilmente se falava de outra coisa a não ser este anime, eram, por edição, 15 páginas dedicadas a spoiler de DBZ, e uma notinha de canto para um outro anime que talvez fosse interessante (porem tão comercial quanto db) na internet não há limites, enquanto a neo tokyo desde a sua 1 edição só destaca cavaleiros do zodiaco e naruto, na internet eu tenho material de toda variedade de estilo de anime e mangá, se eu estiver interessado num mangá que conta a história do relacionamento de uma pessoa com sua boneca inflável eu vou encontrar, já nas revistas, se não passar na tv aberta e fechada, no máximo terá uma notificação de canto num espaço de 4cm x 4cm

    TV aberta de 5 anos para cá é reinada pela censura do ministério da justiça, isso que vai afugentar consumidores, é muito mais fácil ligar o aparelho de tv e assistir, que buscar em sites, aprender como funciona cada uma das centenas de opção de servidores, passar horas baixando para depois assistir no desconforto do pc, mas com a censura não dá! e censura cada vez mais visível.

    otaku ocidental gasta muito com seu hobbie, só que como todo hobbista ele deve valorizar seu dinheiro e aceitar apenas coisas bem feitas, ou que se note o empenho das empresas, no mercad0 editorial vai muito bem; basta o resto do mercado se adaptar com seus consumidores, não estamos mais na década de 70 e 80 onde não se havia alternativas, ou comprava kichute ou andava descalço, e importado a taxa era alta demais, agora há escolhas, várias alternativas, hoje se o rádio não toca a musica que você quer ouvir, além da alternativa de mudar de estação (é só girar o botão) temos acesso ao MP3 e ouvir o que quiser.

    Curtir

  11. soulstaker disse:

    Concordo com o vincent_valentine.

    Você fala da juventude atual só ter a Internet como fonte de anime, mas vamos olhar bem. Bleach, que é um anime MUITO popular por aqui só foi estrear aqui no Brasil ano passado. Quase 4 anos depois de começar a ser exibido no Japão.

    Death Note não demorou TAAAANTO. Mas o mangá, que era popularzão na Internet mesmo antes do anime só foi licenciado depois que o anime fez o estrago que fez na rede.

    Revistas de anime, só mostro isso:

    http://www.animepro.com.br/especial/neotokyo/neotokyo_00.html

    Falando em revista, qual revista nacional falou sobre os animes que vão começar a passar agora em outubro no Japão? Nenhuma né. Uns 2 ou 3 blogs falaram.

    Sem contar que alguns animes passam na TV ficam só nisso mesmo. Eu mesmo nunca vi em lugar nenhum DVD de Speed Grapher, Gankutsuou, CCS ou qualquer coisa que não seja porcaria de Shounen genérico que a maioria dos “otakus” que você falou aí assiste. Vai na Americanas/Submarino pra ver, pilhas e pilhas de DVD’s de CDZ, FMA, Naruto e YYH. E só.

    Otaku ocidental não compra nada mesmo. Tirando DVD e mangá, que outro tipo de mercadoria nós temos por aqui? Não se vê uma camiseta oficial com material decente, versões mais bacanosas do mangá e coisa e tal. Quando tem algo, é brinquedo de Naruto pra menino de 10 anos. No Japão temos no mínimo 40 dvd’s de séries diferentes sendo lançados todo santo mês. E sem contar a pilha de outros produtos relacionados, como por exemplo absorvente com temas de anime.

    Sem contar que é ridículo comparar o nosso consumo ao japonês que tem um per capita só quase 4x maior que o nosso.

    É issaê.

    Curtir

  12. Nice post!!!

    Uma boa revista para renascer das cinzas seria a Héroi…

    Uma revista que falava de tudo a respeito de tokusatsus, animes etc.

    Na época do auge da revista, eu ainda estava aprendendo a ler, e só me contenvava em ver as gravuras dos Cavaleiros do Zodíaco, e do Ultraman.

    Gostaria muito de poder ler o que eu não pude ler anos atras…

    É verdade que essa geração de agora que se acha otaku só por assitir Naruto, (Não tenho nada contra Naruto, sou muito fã da série até…) não viveu a era de Ouro dos Animes, Mangás e Tokusatsus aqui no Brasil.

    Da mesma forma que a internet ajuda, ela destroi. Agora baixar scans de revistas pela internet não vale a pena. O bom é você poder ter em suas mãos uma revista que um dia poderá se tornar famosa e rara entre os colecionadores.

    PS – Renato, enviei um e-mail para você. Aguardo a resposta. Valeu

    Curtir

  13. Evandr0 disse:

    Teve algumas coisas que eu acabei n comentando no meu ultimo post…

    Eu sempre quis comprar mangas, DVDs e outras coisas relacionadas… Mas nunca axei oque eu queria… Vamos dar um exemplo os mangas… Enquanto uma serie está sendo publicada no Japão, sai serca de 9 capitulos em revistas como a Jump semanalmente e em cada 6 meses (aproximadamente) um volume, aqui no Brasil só vai ser lançado esse mesmo capitulo certa de 5 anos depois e se ele fizer muito suceço… Alguns mangas nem em sonho vão ser lançados no Brasil se continuar no msm ritimo… Agora, 2 dias depois de um capitulo ser publicado no Japão, uma scan tradus o capitulo completo e, na maioria das veses, faz um trabalho perfeito… Como podem pensar que um fan vai esperar 5 anos ou mais pra uma serie ser lançada e, ainda mais, sem certeza que vai ser lançada, para poder comprar???
    Eu baixo sim… Mas tbm n gosto disso… Msm assim tento comprar td que eu posso com a pouca renda que eu tenho…

    Curtir

  14. Nume disse:

    É fato. Mas também é fato que a grande maioria das empresas raramente se esforçam o suficiente para fazer um bom trabalho. Como você mesmo citou, muitos jornalistas acham mais prático copiar tudo da internet reescrevendo o texto.

    No RPG, que é minha área de atuação, a coisa é parecida. Todo mundo baixa PDF. Mas as empresas que sabem trabalhar com a internet se dão bem. Nos EUA, a Paizo Publishing fez o maior playstest aberto do mundo, liberando o sistema inteiro do seu Pathfinder RPG na internet para avaliação dos jogadores e mestres do mundo todo. Resultado? A versão final do jogo esgotou suas dezenas de milhares de cópias da primeira impressão dez dias antes do lançamento do jogo. E já há uma gigantesca fila para a segunda impressão, que chega de navio da China no começo de Novembro.

    No Brasil, a Jambô Editora lançou ao mesmo tempo a nova edição do seu 3D&T Alpha tanto nas lojas, à R$25,00, quanto de graça em PDF no site da editora. Resultado? O livro vendeu muito bem e já tem dois suplementos sendo desenvolvidos.

    A lição que se aprende é que: não há nada de errado com o grátis. O que incomoda a maioria das empresas é não ter mais o plástico protetor para seus produtos ruins não serem lidos antes de serem pagos.

    Curtir

  15. Horo-Horo disse:

    Essa é a grande verdade, você disse bem.
    Mas uma coisa é a Famitsu, que recebe informações DIRETAS das produtoras de games; e outra é uma publicação nacional ter que correr atrás desses “furos” que acontecem do outro lado do mundo SEM o advento da internet.

    Imagina uma Ação Games ou uma Gamers voltando com esse nível? Seria perfeito. Espero mesmo que isso aconteça.

    Curtir

  16. Fala Pen =). Impossível não ler o post e deixar de fazer um comentário. Irônico é como os diferentes pontos de vista, das gerações que você aponta no texto, se manifestam para consolidar o escrito. Nunca estive por dentro do mercado de games, mas acho que posso traçar alguma opinião acerca do mercado de animes.

    É bem verdade que nunca tivemos algo consolidado e o que talvez pudesse ter dado certo pra valer a partir da metade dos anos 90. Contudo, diversas partes envolvidas não fizeram “o dever de casa” e por mais que haja alguma boa iniciativa atualmente, o público alvo não existe mais. Reféns da internet, a geração atual de otakus no Brasil é vítima de um cenário econômico desfavorável, onde salários não acompanham os aumentos tributários que diversas empresas repassam sobre o preço final de um produto.

    Se quando criança, uma pessoa consumia vorazmente produtos com a marca de seu desenho favorito, conforme a mesma vai crescendo, ela acaba sendo vítima de uma sociedade que exige que ela se enquadre em padrões estéticos e consumistas onde heróis japoneses não estão em sintonia. Ir em qualquer evento de médio ou grande porte traduz o que quero dizer: o suposto público alvo se preoucupa mais em estar na “moda” que comprar um poster, DVD, figura, etc… Daí, com a grana escassa, a rapaziada prefere abrir a carteira para gastar com outras coisas que ele julga mais complementador de sua imagem social.

    As ações reguladores do MJ em pró de uma tv menos violenta acabaram prejudicando também investimentos. Animes que poderiam emplacar como um novo DBZ, CDZ ou Yu Yu não podem passar antes das 20h sem cortes. O fã consumista, irônicamente é o da Geração Manchete que já está inserido (a maioria pelo menos) no mercado de trabalho e consome o saudosismo.

    Particularmente, a proposta do Animax necessitava de ser desenvolvida lentamente. Talvez o canal devesse ter desde o começo a exibição de séries, filmes e programas não-anime para depois de ter um público estratificado, começasse a injetar em doses homeopáticas o anime que seu nome ostenta.

    Resetar o mercado parece algo inviável e emplacar um novo sucesso, apesar das tentativas de algumas partes não se mostra uma tarefa tão fácil quando não há interesse do público no que é apresentado, um empenho dedicado dos promotores … Público há; mas se no passado não haviam muitoas barreiras para atingi-los, hoje é necessário que os envolvidos na missão tenham dedicação e estratégias inteligentes. Mas vejo que é mais fácil apostar as fichas no nicho infantil que arriscar com aburrescentes 😛

    Curtir

  17. Daisychan disse:

    Concordo com o Vincent_Valentine e também com o Horo-Horo.
    Oque você disse é bem verdade, Penpas, mas no Brasil não recebemos a mesma quantia de dinheiro quanto no Japão alguém pode receber de salário mínimo.
    Não é tão simples assim.
    Mangás nacionais, gasto horrores com isso, e não reclamo do preço.
    Apesar de todo mundo reclamar da qualidade dos mangás, eu ainda prefiro ler um mangá na mão, ali, virando as páginas de papel do que ler pela internet.
    Dá até outra emoção! =D
    Sim, mangás, essa é um das poucas coisas que os otakus realmente compram.
    Outra coisa que dá para se comprar muito bem por aqui são os Action Figures, assim como disse a sarah_chibi.
    A maioria das lojas não põe tanto frete o quanto pensamos e as vezes até podem estar saindo no preju…
    E sobre o Animax, além do preço dos pacotes temos a má qualidade de tradução…
    Eu apoio sim a dublagem de animes, e porque não?
    Se eles não tiverem apoio nunca irão conseguir crescer!
    Mas se as empresas dessem mais importância aos animes, vissem como o mercado cresce (e cresce sim, é só ter qualidade), dessem mais prestígio aos dubladores, tenho certeza que até as dublagens ficariam melhor, quem é que não trabalha feliz com um salário mais alto?!
    E sobre as revistas pegarem na net, não é porque é pura preguiça, é como disse o Horo-Horo, grande parte das revistas japonesas recebem informações direto das produtoras…
    Otaku quer ter quarto com poster, com action figures, com jogos e consoles originais, mangás, DVD’s, e etc… é tudo uma questão de bom senso de ambas as partes para que o mercado dos animes, mangás e games melhore por aqui.
    Otaku quer tudo isso original, e quer sim! O resto é resto, otaku é que não é… =3
    Por hora, a internet continua sendo nossa maior aliada.

    Curtir

  18. Evandr0 disse:

    Concordo tbm… Sempre é melhor ler na mão dq na net… Jogos originais, são meus sonhos, e box com a coleção completa dos DVDs do meu anime favorito é como uma meta pra mim… Mas aki n tem mto oq discutir, ou gasta mto com pouca qualidade, ou pega da net de graça e com otima qualidade msm…
    E sobre dublagem, eu n sei n… Confesso q algumas dublagens ficaram perfeitas (e outras até melhor q a original, como no caso de Pokemon)… Mas o original é melhor… Eu costumo assistir td (q tenha dublagem) em pt e no original com legenda depois, e vejo que é bem diferente… E outra, dublagem só serve msm pra quem n sabe ler (ou seja, criancinhas de menos d 12 anos) e/ou quem tem preguissa de ler Oo… E tds sabem q animes bons n são pra criança (temos algumas exessões [ou mtas ^^])…

    Curtir

  19. Horo-Horo disse:

    Evandro, ta falando besteira… “dublagem é só pra quem não sabe ler” ?
    Dublagem faz parte da nossa cultura. Aliás, não só da nossa, de muitos países.
    Eu prefiro ver aquele meu anime, filme ou seriado dublado, desde que essa seja bem feita.
    Pegue alguns exemplos como Yu Yu Hakusho, Dragon Ball, House M.D., Fresh Prince of Bel-Air (sim!), Curtindo a Vida Adoidado, De Volta Para o Futuro (tanto a nova quanto a antiga dublagem são ótimas)… a dublagem dessas séries são excelentes!

    “E tds sabem q animes bons n são pra criança (temos algumas exessões [ou mtas ^^])”

    Usando emoticons desse tipo só prova a sua infantilidade não acha? Fora os erros de português… enfim.. reveja seus conceitos.

    Curtir

  20. Evandr0 disse:

    N disse nada que seja contra dublagem… Só disse que fica diferente… Até eu gosto de series/filme/animes e afins dublados… Só q eu prefiro legendado…
    E sobre minha “infantilidade”… Realmente, isso pode paracer infantil, mas n disse nada (tbm) q eu n gosto ou tenha algo contra isso… Eu gosto (e mto) de series concideradas “infantis”… Mas oq eu n gosto é as pessoas compararem um anime voltado a ação, como Bleach por exemplo, com um infantil, Pokemon por ex…
    As pessoas (n tdas) axam q se é desenho, tenq ser pra criança, e acabam censuranto td q tinha de bom no anime… Um bom exemplo disso é One Piece, que, na verção brasileira, acabaram com ele, e até tentaram transformalo em um anime “americanizado”…
    Hj em dia é dificil ver um bom trabalho, seja ql for, que estaja relacionado com animes/mangas e afins…
    E sobre os erros ortograficos… Desculpe, mas é que eu n ligo mto pra isso no PC… Meus dedos vão sozinhos conforme o som das palavras Oo…

    Curtir

  21. Horo-Horo disse:

    Só pra constar, One Piece foi editado pela própria Toei. A versão que veio pra cá foi a mesma que foi encomendada pela 4kids. Até poderia ter vindo a original, mas é mais barato pegar uma versão ja editada do que fazer os cortes aqui.

    Curtir

  22. Evandr0 disse:

    Disso eu sabia… E é assim com a maioria tbm…
    (é bom eu parar com a disscução senão isso vira uma chat Oo…)
    E por causa disso (e outras coisinhas a mais) tbm a 4Kids “faliu”… E vai acontecer mais e mais conforme for fazendo esses trabalhos toscos… Eu até tenho mais uma em mente que gostaria que saísse de cena… A Cartoon, que, na minha opinião, ja estragou animes demais, como Naruto (até hj eu tenho trauma daqle “To certo” ou o “Essa é minha conduta ninja”… Isso sem flar do “Compressão de chacra” ou “Espadão”…)

    Curtir

  23. Mario Kart disse:

    Sempre a culpa é do consumidor né.

    Tem gente que não entende como funciona o capitalismo.

    O consumidor nunca é o culpado. O consumidor busca o que é melhor para ele, e se as empresas não são capazes de cumprir suas exigências, bye bye, senta e chora. Esse é o capitalismo, é selvagem, é seleção natural. Os espertos irão reinar e os ignorantes irão falir.

    Ignorantes, é o que todas as empresas do ramo se mostram.

    O consumidor quer algo, o mercado não oferece, ele procura meios para conseguir o que quer. SIMPLES.

    O pessoal queria Naruto -> Só lançaram algo oficial depois de 4 anos de febre -> TCHAU, o consumidor já se virou.

    Eu queria DVD de Cavaleiros do Zodíaco -> Depois de muita enrolação, lançaram aquela porcaria com imagem zuada, tiraram os títulos dos episódios originais etc etc -> NÃO COMPRO MAIS

    Eu comecei a comprar mangá de Cavaleiros do Zodíaco quando foram lançados -> A tradução era péssima e cometiam vários erros de nomes e traduções, ou seja, profissionais péssimos -> PAREI DE COMPRAR E FUI LER NA INTERNET

    O pessoal queria DVD de Tokusatsu -> Depois de anos, lançaram essa porcaria do Jiraiya -> MENOS CONSUMIDORES

    O pessoal quer ler sobre animes -> As revistas não inovam, publicam o mesmo conteúdo que tem na internet -> Pessoal vai ler na internet porque é de graça e mais rápido

    Empresa brasileira é isso, faz tudo errado e quando alguém reclama só inventa desculpas. Ou é culpa dos impostos, ou é culpa do governo, ou é culpa do preço do dolar.

    Empresa brasileira não tem imaginação, tem medo de arriscar, não contrata profissionais qualificados.

    É por isso que no Brasil não surgem empresas do porte do Google, da Apple ou projetos megalomaníacos como Wikipedia (fugindo um pouco do ramo).

    Como você quer que alguém consuma, se o fã entende mais do assunto que o redator? E por que a empresa não investiu para que o fã que entende seja o redator?

    Como você quer que alguém consuma mangá, se o tradutor e editor não entendem do assunto e fazem uma tradução e adaptação ruim? E o fã, que pesquisa na internet, descobre tudo isso?

    Foi-se o tempo em que os consumidores eram leigos e engoliam a quantidade de bullshit que eram escritas nas revistas do ramo. Hoje o fã é informado, e a empresa que quiser ter sucesso terá que aprender a trabalhar com ele, e não desafiá-lo.

    Se a empresa quer fazer produtos para os leigos, então não reclamem do fato dos hardcores não consumirem!

    Se quer fazer produtos para os hardcores, ENTÃO FAÇA DIREITO!

    Curtir

  24. Wagner D.M. disse:

    Eu li este post a vários meses atrás e só agora resolvi escrever meu comentário. Realmente o cenário otaku não está sendo dos melhores. Mas se pensarmos no seu ponto de vista poderiamos concluir que os seriados americanos também sofrem do mesmo mal. Afinal, um episódio de Lost exibido na TV americana pode facilmente ser legendado e cair na web no dia seguinte. E o fã de seriados também podem ter tudo e saber de tudo sem pagar nada, basta um conexão razoável na Internet e pronto. Até aí não vi nenhuma diferença. Mas o que estamos vendo no mercado não é isso, pois, ao contrário dos animes, os seriados americanos ainda estão em alta, tanto na TV aberta (Globo, Record e principalmente, SBT) quanto na TV paga (FOX, Sony, AXN e outros). Então eu faço a seguinte pergunta: se tanto os animes quanto os seriados americanos estão sujeitos à pirataria porque somente o mercado de anime está sendo detonado por causa disso?

    Curtir

  25. Não sou OTAKU e nunca serei…Sou OTOME (Feminino de Otaku)Uma pergunta quem não consome muito mesmo? Eu sinceramente vou pro SANA evento de anime o unico daqui e gasto 150 bilas forçada a parar eu sinceramente olho pra TUDO e minha mãe só me da 100 reais buaaaaaaaa eu sou viciada em tudo…

    O Animax me traiu buaaaaaaaaaa depois de ano pedindo tv acabo eu descubro que parou de passar anime BUAAAAAAAAAAAAAA

    Eu sou Otome e se duvida olhe minhas provas tudo sobre Animes(A de Redação)Eu sou viciada em tudo olho coisa de Sailor Moon morro se não comprar(Eu quase morrir pois minha grana acabou) Galera hellou eu sou OTOME no sou iqual a esses Otakus de 5 que só assiste anime da Moda meu amigo dizendo que era Otaku eu fiz pergunta sobre Inuyasha e ele errou COMO???? Um amigo meu dizendo que sabe tudo de Pokemon eu fiz uma simples pergunta de Em qual episodio o Ash captura os Taurus e porque nunca passou? E ELE ERROU me diga que futuro temos em mão? Eu sei que é o Epi a Lenda de Dratini(Assisti até) E so no leio mangá em japa pq meu curso no começou ainda…Caraca meu eu vi uns cards oficiais de Pokemon implorei pra minha mãe comprar é claro que recebi um não ela disse que falia mais a pena comprar 50 reais de cartinhas que gasta 150 em um deck(Que vinha 30 cards se no me engano sendo que tinha as 7 evoluções d EEVEE) Buaaaaaaaa EU chorei Litros Buaaaaaaaa

    Eu vivo de anime Meu eu amo ANIMES *-* O Animemax excluio os animes bons me lembro que ouvia falar de tanto anime e assisti quase todos e mesmo assim Animax parou de passar(Eu me esqueci o nome do canal faz 2 messes que minha tv acabo acabou por causa de Obra) Buaaaaaaa aonde está o meu futuro??? Como Otome socorro deus pliss me ajude Kami-Sama e pelo amor de deus… TIREM ESSA IDIOTIÇE DE DUBLAGEM só leio mangá em PT e ainda me irrito por no saber Japa ¬¬ Odeio dublagem assisti SM dublado e chorei com a voz(Mais notei coisas…) E Naruto Odeio isso que CHAMAN de anime isso devia ser chamado de Besteira até a Radio Otaku Extreme Confirmou que existe anime Melhor(Dedurar aqui) Pliss mandem esses canais passarem anime que preste como Angel Beats Tokyo Mew Mew Inuyasha Sailor Moon Yu Yu Hakusho(Prestou um Pouco) E tirem pokemon que eu era viciada mais ja enchoeii(Nunca muda) ENtão é só isso Bjs e tomara que mais coisas apareçam no Sana(EU sou viciada mia snão compro um boneco de 20 centimetros ou 30 por 170 nem a pal prefiro e no Ebay e comprar 3 bonecas da Sailor moon e com frete da isso )

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s